Florianópolis, abril de 2013
 
O Sindicato Intermunicipal dos Professores no Estado de Santa Catarina – SINPROESC, participou do Movimento em Defesa da Vida, Saúde e Segurança da Classe Trabalhadora Catarinense – MOVIDA – realizado na cidade de Criciúma no dia 25 de Abril de 2013.
A caminhada seguiu pela Av. Centenário até o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Centro da cidade onde os Dirigentes Sindicais também entregaram Carta Denúncia.
Na oportunidade manifestaram indignação e repúdio à forma como alguns peritos tratam os trabalhadores acidentados, chegando a considerar aptos, trabalhadores mutilados.
 
Denunciaram também a falta de peritos e exigiram do governo a contratação de mais profissionais para agilizar os atendimentos.
Segundo o Professor Carlos Magno da Silva Bernardo, Presidente do SINPROESC e Secretário Geral da UGT/SC e Professor Moacir Pedro Rubini, Diretor do SINPROESC e Secretário de Educação e Formação Profissional da UGT/SC, Central que participou ativamente da organização e coordenação do Ato “é fundamental participar nesta luta em defesa de condições dignas para os professores no local de trabalho”.
A intensa carga horária que hoje estão sujeitos, somadas as exigências da atividade docente e as condições precárias de trabalho tem levado muitos professores a se afastarem por doenças ocupacionais.
Entre as diversas doenças, cresce o número de docentes com transtornos psíquicos, que hoje já é uma das principais causas de afastamento do trabalho. Outros fatores como estresse, depressão, assédio moral, tem levado muitos profissionais a abdicarem da carreira.
O estresse ocupacional inclusive é preponderante na categoria docente em relação às outras profissões. A sobrecarga também figura como causa de afastamento do trabalho.
Para o Presidente Carlos Magno “lutar pela hora atividade, pela implantação de Planos de Cargos e Salários, melhores condições de trabalho, limitação do número de alunos por sala de aula aplicando a Lei, são políticas que fazem parte da estratégia do SINPROESC”.
O Professor Rubini lembra que ”estamos em plena discussão sobre o Plano Nacional de Educação. É necessário que nos mobilizemos para que as diretrizes construídas no PNE sejam garantidas a todos os professores, sejam da rede pública ou privada, afinal, o Brasil não possui dois Sistemas de Ensino, apenas faculta o direito da iniciativa privada oferecer Educação, mas as mesmas estão sujeitas a diretriz nacional, bem como a Legislação Educacional vigente”.
O SINPROESC participa destas ações conjuntas com o Movimento Sindical, por entender que a luta é de todos e a Educação é a base para construção de uma nação livre e soberana.
Nossa luta é para assegurar a todos os trabalhadores (as)  ambiente de trabalho mais humano, seguro e saudável; garantir o Sistema Único de Saúde público  com qualidade no atendimento e eliminar definitivamente todas as formas de discriminação e assédio nas relações de trabalho.
Texto e foto: Paulo Cesar Amante – Assessor de Comunicação UGT/SC